Como o Brasil vai jogar no tabuleiro da nova geopolítica do petróleo

geopolítica do petróleo

O setor do petróleo se apresenta como um tabuleiro de xadrez. Porém, esse jogo vai muito além de uma mera partida esportiva, ele decide o andamento e os rumos do planeta.

Sim! Essa é a proporção – planetária mesmo. Até porque, estamos falando do produto mais disputado no mundo.

Muita coisa está em jogo: lucros gigantescos, abastecimento, poder, estratégia, soberania e independência.

Por isso lá estão os poderosos EUA e a Arábia Saudita de um lado; e China, a Rússia e Irã do outro. E intermediando essa latente disputa a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP).

Mas para entender melhor como ficam as novas fronteiras no setor do petróleo e onde o Brasil entra nessa história, vamos mostrar a importância da América para o século 21 nesse contexto do petróleo.

 

América e Século 21

O século 21 se apresentou desafiador. No setor do petróleo não foi diferente. Novos conflitos, novas áreas descobertas e muito interesse em jogo.

Nesses 20 anos desse século, transformações importantes na geopolítica do setor trouxeram novos países para o jogo.

E essa ampliação do leque de possibilidades exploratórias colocou o continente americano no olho do furacão.

Vamos lá:

:: Os EUA se destacam com as descobertas do gás do xisto (shale gas) e petróleo bruto leve (tight oil); os norte-americanos tornam-se, em 2018, o de maior produtor de petróleo do mundo (produção de mais de 11,3 milhões de barris por dia);

:: O Canadá tem o óleo das areias betuminosas; além disso, novas descobertas de reservas provadas totalizam 179,6 bilhões de barris;

:: O Brasil entra com o Pré-sal e está lista dos dez maiores produtores de petróleo, chegando a 3 milhões de barris por dia. Ultrapassando países tradicionais como Kuwait.

:: A Venezuela chama a atenção do mundo ao praticar intervenções governamentais no setor. Os venezuelanos estatizaram campos de petróleo, plataformas, terminais e embarcações. Eles têm a maior reserva comprovada do mundo;

:: Bolívia: outro país sulamericano preocupado com o setor estratégico do petróleo. Tanto é verdade, que eles nacionalizaram reservas de gás, refinarias, logística de comercialização e distribuição;

:: México: atual administração federal do país suspendeu leilões de petróleo por três anos, também interditou propostas de desestatização e irá revisar contratos do setor.

Além disso, não se pode esquecer das recentes descobertas de reservas de petróleo na Guiana e no Suriname, que podem acelerar ainda mais as mudanças na geopolítica do setor.

Entendeu porque os olhos do mundo estão focados na América? Porque quando o assunto é petróleo, o continente já está no centro das disputadas no setor.

 

Disputa continental e mudanças

Enquanto a América vê essa perspectiva de avanço no “poderio” energético, a Ásia não fica atrás.

Das 35 maiores descobertas de hidrocarbonetos com mais de 1 bilhão de barris, além dos países americanos já citados, há avanços significativos também em países como Rússia, China, Índia e Turcomenistão.

Ou seja, a Ásia irá entrar nesse jogar também. Vale ressaltar que boa parte dessas descobertas asiáticas são de petróleo tradicional e xisto.

Lembrando que muita coisa já mudou no setor. Para se ter uma ideia, na década de 2000, mais de 40% da demanda mundial de energia se concentrava na Europa e nos EUA e apenas 20% ficava em países da Ásia.

Porém, até 2040, impulsionada pela demanda chinesa e indiana, esse quadro deve ter uma reversão completa de acordo com a última previsão da World Energy Outlook (2018).

Portanto, uma coisa é certa neste tabuleiro geopolítico, os reis e rainhas ainda não mudaram.

Apesar das perspectivas de novos centros, as principais quedas de braços continuam no oeste e no leste do Golfo Pérsico. De um lado, os EUA e seus laços com a Arábia Saudita, de outro, a China, a Rússia e o Irã.

O que resta saber, a partir desse novo cenário, é como e com quem o Brasil vai jogar.

 

Veja também É verdade que a Petrobras vende gasolina mais barata para outros países ?

 

Como o Brasil vai jogar no tabuleiro da nova geopolítica do petróleo

Compartilhe a nossa campanha no Facebook

Siga-nos no Instagram

 

Passado, Presente e Futuro: A Petrobras é tudo isso e muito mais

9 curiosidades sobre o Pré-sal que você precisa saber
9 curiosidades sobre o Pré-sal que você precisa saber
O Pré-sal é uma grande reserva de petróleo e de gás natural, localizada em águas ultraprofundas da costa brasileira, abaixo da camada de sal no fundo do Oceano Atlântico. Confira...
Em 20 anos, serviços privatizados subiram mais que inflação
Em 20 anos, serviços privatizados subiram mais que inflação
É comum ouvir atualmente expressões como “privatiza tudo” ou “tem que privatizar mesmo”. Geralmente, esses pensamentos são estimulados por setores que não possuem compromisso com o país e nem com...
Os royalties da Petrobras são essenciais
Os royalties da Petrobras são essenciais
Você sabia que a Petrobras paga à União (Governo Federal), estados e municípios um valor em dinheiro para ter o direito de explorar o petróleo. Essa espécie de compensação leva...