Em 20 anos, serviços privatizados subiram mais que inflação

mais que inflação

É comum ouvir atualmente expressões como “privatiza tudo” ou “tem que privatizar mesmo”.

Geralmente, esses pensamentos são estimulados por setores que não possuem compromisso com o país e nem com a população.

Antes de tudo, ser contra a essa linha política não é uma questão partidária. Basta perceber, na frieza dos números, que o Brasil não teve vantagem econômica e social com as privatizações.

Estudo da Confederação Nacional da Indústria (CNI, entidade patronal) mostra que serviços privatizados subiram mais que inflação nos últimos 20 anos. Os dados mostram o setor energético, de transporte, educação, remédios, médicos, hospitais e combustíveis nessa conta.

Ou seja, nos últimos 20 anos, só televisores e computadores (componentes eletrônicos de uma maneira geral) ficaram abaixo da inflação, por exemplo.

O estudo é de agosto de 1999 até março de 2019; nesse período a inflação oficial acumulada pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) somou 240%.

A cesta de serviços médicos e hospitalares, por exemplo, subiu 374%.

A energia elétrica teve alta de 358% e o transporte coletivo aumentou de 352%.

Já a educação formal teve alta de 340%.

É só privatizar?

Quando dizem que ao privatizar abre-se concorrência, cuidado! Não é bem assim.

Ainda de acordo com o estudo feito pela CNI, foi a falta de competição e as falhas de mercado que aumentaram os preços dos bens e dos serviços.

Não é porque o mercado é privado que não é controlado por interesses igualmente privados. Nossa economia sofre intervenções nos preços e serviços dos oligopólios (quando algumas empresas detêm o controle da maior parcela do mercado).

É por isso que muitos serviços são oferecidos por empresas diferentes, mas com custos muito semelhantes.

Significa dizer que, no Brasil, as empresas, mesmo competindo entre si e vendendo produtos diferenciados, são altamente substituíveis umas pelas outras.

É comum um mesmo produto ser ofertado por várias empresas, sendo que o diferencial desse bem se apresenta apenas por características físicas (composição química, embalagem, etc.).

De qualquer forma, nos últimos 20 anos, segundo a CNI, o aumento inferior ao IPCA na indústria deixou um saldo negativo na receita brasileira. Os preços da energia, do transporte público e dos combustíveis subiram mais que a inflação e pressionaram os custos de produção.

Então, respire fundo e diga, com toda certeza que, nos últimos 20 anos, as privatizações fizeram mal ao Brasil.

Não precisa ser nacionalista para defender o patrimônio nacional, basta ter um pouco de bom senso: setores estratégicos, como o energético, são mais benéficos quando são estatais.

 

Veja também Como um conflito entre EUA e Irã pode afetar o Brasil (que está reduzindo o refino de petróleo)

 

Compartilhe a nossa campanha no Facebook

Siga-nos no Instagram

 

Passado, Presente e Futuro: A Petrobras é tudo isso e muito mais

Você sabia que a Petrobras tem “cidades submarinas”?
Você sabia que a Petrobras tem “cidades submarinas”?
O trabalho da Petrobras envolve tecnologias tão avançadas que a estatal opera estruturas que se parecem com “cidades submarinas”. Pois é: a mais de dois mil metros abaixo da superfície,...
Política de preços dos combustíveis que desencadeou greve dos caminhoneiros em 2018 segue intacta
Política de preços dos combustíveis que desencadeou greve dos caminhoneiros em 2018 segue intacta
Em maio de 2018, caminhoneiros em todo o Brasil fizeram uma greve de 11 dias. Entre as reivindicações dos grevistas, estava a redução do preço do diesel, que elevava o...
Trabalhar na Petrobras é cuidar do Brasil – dentro e fora da estatal
Trabalhar na Petrobras é cuidar do Brasil – dentro e fora da estatal
🤜 🤛 Os trabalhadores da Petrobras sabem que a função primária de uma estatal é desenvolver a sociedade. E eles se empenham muito para isso – dentro e fora da...