“Hibernação” é política de desmanche para venda de fatias da Petrobras

A partir de 2016, a direção da Petrobras mudou de rumo logo que o governo Temer assumiu.   A privatização da empresa passou a ser meta de setores que não possuem compromisso com o Brasil.

Com a mudança do governo, em janeiro de 2019, veio a radicalização desta postura e ampliou-se o processo de desmanche da estatal, com a venda de pedaços (subsidiárias) em vários segmentos.

Essas mudanças irão comprometer a lucratividade no futuro da estatal, mas atual gestão não está preocupada com isso.

Já foram entregues subsidiárias como a Transporte Associado de Gás (TAG), a Nova Transportadora do Sudeste (NTS), a Liquigás, a BR distribuidora, além de o processo de venda da Gaspetro ter avançado. Vários campos de produção também foram vendidos, sejam terrestres ou marítimos.

Essas vendas em 2019 geraram 24 bilhões de reais, o que correspondeu a 60% do lucro da empresa, dando uma falsa sensação de lucratividade e enganando alguns que acham que este número é sintoma de boa administração.

A mais nova face desta política é chamada de hibernação. Na verdade, é uma estratégia para acelerar a privatização da empresa ao abrir mão do funcionamento de plataformas e subsidiárias.

A estrutura parada e sem manutenção se deprecia e, pelo preço reduzido, fica mais atraente para os compradores. É um crime de lesa-pátria cometido por aqueles que deveriam estar valorizando a soberania brasileira.

Utilizando como argumento a pandemia da Covid-19, a Petrobras anunciou em abril a hibernação de 62 plataformas em águas rasas nas bacias de Campos, Sergipe, Potiguar e Ceará. A direção da estatal alegou que o preço baixo do petróleo inviabiliza a exploração econômica dessas áreas.

No entanto, as plataformas em Sergipe, Potiguar e Ceará estão justamente em listagem de bens colocados à venda pela estatal, assim como várias das plataformas de Campos. Muitos desses campos são maduros e precisam apenas de pequenos investimentos – que não feitos desde o governo Temer – para dobrar ou triplicar a produção.

A crise, caudada pelos impactos da pandemia, está sendo usada como desculpa para uma aceleração do desmanche da Petrobras em larga escala.

Durante uma reunião do governo, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, celebrou a pandemia e afirmou que é o momento para passar “boiada” e facilitar o avanço do agronegócio sobre a Amazônia. O presidente da Petrobras, Castello Branco, não fica atrás e segue a mesma linha no seu projeto de destruição do patrimônio dos brasileiros.

 

Compartilhe a nossa campanha no Facebook

Siga-nos no Instagram

Passado, Presente e Futuro: A Petrobras é tudo isso e muito mais

Quatro estragos da privatização da Petrobras no Amazonas
Quatro estragos da privatização da Petrobras no Amazonas
O Governo Federal tem buscado manobras para vender a Petrobras, já que a privatização da estatal pode ser interpretada como inconstitucional. O intuito é ficar apenas com as unidades de...
Quem ganha e quem perde com a privatização da Petrobras?
Quem ganha e quem perde com a privatização da Petrobras?
Existem alguns indícios de que privatizar a Petrobras não é lá uma coisa muito interessante. Então, qual a real razão para vender uma empresa que registrou lucro líquido de R$...
Como o Brasil vai jogar no tabuleiro da nova geopolítica do petróleo
Como o Brasil vai jogar no tabuleiro da nova geopolítica do petróleo
O setor do petróleo se apresenta como um tabuleiro de xadrez. Porém, esse jogo vai muito além de uma mera partida esportiva, ele decide o andamento e os rumos do...