Nova gasolina da Petrobras antecipa padrões que serão obrigatórios só em 2022

Disponível em todas as refinarias desde o último dia 3 de agosto, a nova gasolina da Petrobras antecipa os padrões que serão obrigatórios pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) apenas em 2022, que é gasolina com octanagem RON 93.

A ANP determinou que a partir de agosto de 2020 a gasolina passará a ter densidade mínima de 715 kg/m³ e octanagem mínima de 92 pela metodologia Research Octane Number (RON). Já em janeiro de 2022, a octanagem mínima obrigatória será de 93, que é a que a Petrobras já começa a oferecer.

Isso coloca a gasolina da estatal brasileira em um nível próximo das gasolinas vendidas em países europeus e também nos Estados Unidos.

 

Maior octanagem

Antes da mudança a octanagem da gasolina comum no Brasil era RON 91. Octanagem ou “índice de octano” é o índice de resistência à detonação de combustíveis usados em motores a gasolina, etanol, GNV e GLP automotivo. Quanto maior o RON, maior a octanagem.

A octanagem não é diretamente ligada à qualidade do combustível, mas motores mais potentes e também mais modernos necessitam de uma maior resistência à ignição espontânea por terem alta compressão e, por consequência, alta pressão interna.

Um combustível de baixa octanagem nesses motores é sujeito a pequenas explosões e à chamada “batida de pino”, que é resultado de choque de metal contra metal no interior do motor, o que causa graves danos.

Para regular a octanagem, alguns aditivos são utilizados. Dois deles, o tetraetilchumbo (chumbo tetraetil) e o tetrametilchumbo, ainda são usados em alguns países do mundo, mas estão gradativamente sendo proibidos pela alta toxicidade, sendo inclusive cancerígenos.

O Brasil foi um dos pioneiros mundiais a abandonar os compostos de chumbo na gasolina, tendo feito o processo entre 1989 e 1991. A partir daí passou a usar o etanol anidro como aditivo de regulagem de octanagem, o que reduz a emissão de poluentes. Vários outros países também proíbem o chumbo na gasolina, como por exemplo o bloco da União Europeia.

 

Ganhos de desempenho, economia e segurança

Por ser mais denso que o tipo anterior de gasolina, o novo combustível propiciará em média uma economia de consumo de 5% por quilômetro rodado, dependendo do tipo de motor. Isso fará com que a economia dele no tanque compense com sobras o aumento de cerca de 1,5% no preço.

Para completar, a nova gasolina melhora o desempenho do motor, garantindo melhor dirigibilidade, menor tempo de resposta na partida fria e aquecimento adequado do motor.

A densidade maior do combustível também trará mais segurança, já que dificulta a adulteração, pois a nafta de baixa qualidade e os solventes utilizados pelos fraudadores possuem volume diferente e que é facilmente detectado nessas novas condições.

Só uma empresa estatal e preocupada com o Brasil como a Petrobras é capaz de se antecipar a novos padrões antes que eles sejam obrigatórios.

 

 

Compartilhe a nossa campanha no Facebook

Siga-nos no Instagram

Passado, Presente e Futuro: A Petrobras é tudo isso e muito mais

Privatizar não acaba com corrupção (isso sim é mito)
Privatizar não acaba com corrupção (isso sim é mito)
Diversos mecanismos de prevenção e combate à corrupção foram adotados, como a Controladoria Geral da União (CGU), em 2003, e o Portal da Transparência, em 2004. Assim como a Lei...
Política de preços dos combustíveis que desencadeou greve dos caminhoneiros em 2018 segue intacta
Política de preços dos combustíveis que desencadeou greve dos caminhoneiros em 2018 segue intacta
Em maio de 2018, caminhoneiros em todo o Brasil fizeram uma greve de 11 dias. Entre as reivindicações dos grevistas, estava a redução do preço do diesel, que elevava o...
Como a privatização da Petrobras ameaça o Projeto Tamar
Como a privatização da Petrobras ameaça o Projeto Tamar
Criado em 1980, o Projeto Tamar é uma das mais vitoriosas iniciativas de conservação marinha do planeta. Surgiu num período em que as tartarugas marinhas estavam ameaçadas de extinção e,...