O Brasil precisa da Petrobras. Os brasileiros precisam das estatais

o-brasil-e-a-petrobras-destque

A desigualdade social é uma herança histórica do Brasil. Em países subdesenvolvidos como o nosso, o capitalismo de consumo atua com mais intensidade e dificulta, inclusive, a execução de programas de combate à pobreza.

No Brasil, após a descoberta do Pré-sal, finalmente se sonhou com um Estado que pudesse proporcionar desenvolvimento de base, porém, com o atual Governo Federal, a prioridade é outra.

E quem perde com isso? Os brasileiros.

Quem ganha? Os acionistas, investidores, mercado internacional e as multinacionais.

É preciso ficar claro que a principal diferença entre uma empresa estatal, como a Petrobras (que tem compromisso social) para uma empresa 100% privada (que visa apenas o lucro) está no destino do dinheiro.

A estatal, obrigatoriamente, destina grande parte do seu lucro para fundos de promoção à saúde, a educação, a segurança nacional, meio ambiente e muitas outras áreas que são função do governo. O capital privado reverte seu lucro para os donos ou para os acionistas e, se for multinacional, envia a maior parte para a sede em seu país de origem.

Muitos países entendem a importância das estatais. Até porque, as maiores empresas no setor do petróleo e gás são do Estado. Essa riqueza é estratégica.

 

Nesse contexto, conheça as maiores estatais do setor do petróleo no mundo:

 

:: Saudi Aramco (Arábia Saudita)

:: NIOC (Irã)

:: KPC (Kuwait)

:: ADNOC (Abu Dhabi)

:: Gazprom (Rússia)

:: CNPC (China)

:: PDVSA (Venezuela)

:: Statoil (Noruega)

:: Petronas (Malásia)

:: NNPC (Nigéria)

:: Sonangol (Angola)

:: Pemex (México)

:: Petrobras.

 

A verdade é que ter o controle do setor do petróleo permite:

:: Influenciar no preço dos derivados do petróleo e favorecer o mercado interno. Ou seja, controlar a subida de preços dos combustíveis.

:: Priorizar políticas voltadas para o desenvolvimento nacional, dando oportunidade de desenvolvimento de cadeias de produção regionais, estimulando a indústrias e o setor de serviços; consequentemente gerando empregos.

:: Controlar a exploração das reservas e da comercialização dos derivados. Assim como fortalecer as refinarias, para que os produtos não necessitam serem importados em demasia.

:: O refino é revertido em derivado e, sendo nacional, o preço da gasolina e do diesel ficam mais baratos. Principalmente porque um país que detém essa riqueza natural (petróleo), finita e não renovável, precisa usufruir dela.

:: Desenvolvimento tecnológico para detalhar jazidas de óleo e gás, seu potencial e seus custos de exploração. Graças a essa capacidade, o Brasil chegou ao Pré-sal, maior descoberta do setor nos últimos 30 anos no mundo!

:: Desenvolver tecnologia própria. Por exemplo: na Usina do Xisto, em São Mateus do Sul, no estado do Paraná, a Petrobrás é a única no mundo que consegue extrair do xisto o petróleo e de maneira sustentável. Só ela detém essa tecnologia.

Ao comparar a atual agenda política do Governo Federal com os fatos apresentados, percebe-se que o Brasil caminha é na contramão do mundo.

E isso piora ao saber que os principais países do mundo reestatizam seus serviços que ficaram mais caros e piores quando foram privatizados.  

Conheça os líderes em reestatização:

.1 – Alemanha – 348 reestatizações.

. 2 – França – 152 reestatizações.

.3 – Estado Unidos – 67 reestatizações (sim! O país que é usado como exemplo por muita gente estatizou dezenas de serviços e empresas).

.4 – Reino Unido – 65 reestatizações.

.5 – Espanha – 56 reestatizações.

Olhe novamente essa lista e perceba que nenhum desses países poderiam ser acusados de “comunistas”, “bolivarianos” ou qualquer balela do tipo. São apenas países cujos governos foram inteligentes o suficiente para perceber que a população deve ser sua prioridade, e a estrutura do Estado deve ser responsável por proporcionar desenvolvimento econômico e social.

Ao menos 55 países reestatizaram algum tipo de serviço essencial entre 2000 e 2017.

E aí, o Brasil está ou não está na contramão do mundo quando o assunto é petróleo e defesa da soberania nacional?

Entregar um setor estratégico, que é o passaporte para o futuro do país (estima-se que apenas no que foi descoberto até agora do Pré-sal a Petrobras poderia lucrar em torno de US$ 10 trilhões – que seria equivalente a R$ 44 trilhões, em cotação de dezembro de 2019 – nas próximas décadas) para mãos estrangeiras não vai contra a ideia de um “Brasil acima de tudo”?

Quer saber mais? veja nossa outra matéria: Mentiras sobre o endividamento da Petrobras: uma estratégia para a privatização

 

Compartilhe nossa campanha no Facebook

Siga-nos no Instagram

Passado, Presente e Futuro: A Petrobras é tudo isso e muito mais

Como a Lava Jato foi usada para quebrar a Petrobras
Como a Lava Jato foi usada para quebrar a Petrobras
Em 2014, a Operação Lava Jato chegou à Petrobras para investigar indícios de esquemas de corrupção que supostamente envolveriam empreiteiras, fornecedores, políticos, agentes de lavagem de dinheiro e altos escalões...
Nova gasolina da Petrobras antecipa padrões que serão obrigatórios só em 2022
Nova gasolina da Petrobras antecipa padrões que serão obrigatórios só em 2022
Disponível em todas as refinarias desde o último dia 3 de agosto, a nova gasolina da Petrobras antecipa os padrões que serão obrigatórios pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural...
Combustível caro é decisão política e prejudica todos os brasileiros
Combustível caro é decisão política e prejudica todos os brasileiros
O preço da gasolina no Brasil disparou nos últimos anos. E tudo, na verdade, passa por uma decisão política que prejudica todos os brasileiros, desde o dono de empresas até...