Privatizar a Petrobras garantiria melhora na qualidade dos serviços e reduziria o preço do combustível?

privatizar-a-petrobras-garante-eficiencia

Pessoas que defendem a ideia de privatizar a Petrobras e outras estatais geralmente usam argumentos como: “Se privatizar, teremos mais eficiência nos serviços”. “Vai baratear os produtos”.

Até parece que há uma solução mágica para resolver os problemas do Brasil. Mas não há!

Obviamente que no setor do petróleo essa “fórmula mágica” de resolução de problemas também está presente.

Mas vamos aos fatos:

. 1º – É verdade que o Governo Federal quer vender refinarias de petróleo e gás.

. 2º – É verdade que o Governo Federal quer vender áreas de extração de óleo do pré-sal.

. 3º – É verdade que o Governo Federal, com as privatizações, vai provocar o aumento nos preços dos combustíveis e no gás de cozinha.

Entenda: a política de preço dos derivados do petróleo atrelada ao dólar causa prejuízo à população. Essa é a principal razão pela qual os preços da gasolina e do diesel estão tão elevados.

Mas o problema de privatizar a Petrobras vai além.

:: Privatização gera desemprego, com impactos na economia.

:: As empresas multinacionais levam embora bilhões de reais poderiam ser investidos em infraestrutura nas cidades (o lucro vai para a sede que está em outro país).

:: As multinacionais irão comandar um setor estratégico, o que fere a soberania nacional (entregar algo estratégico para o capital externo).

:: Se você não estiver satisfeito com a qualidade ou com os preços, você vai reclamar para quem?   (já viu protestos contra a péssima qualidade e preços altíssimos da telefonia? Em termos bem práticos, empresas privadas não estão preocupadas com a próxima eleição…)

:: Deixar o mercado regular os preços? Áreas com custos muito altos tendem a ter poucos participantes. Nesses casos é muito comum a prática ilegal de cartel, quando grandes empresas acertam entre si os preços de mercado. (sim, elas combinam o jogo e ainda esmagam quem não aceitar as regras, principalmente os menores)

 

Que tal um pouco de história?

Vamos começar pela área da Telefonia (exemplo comum usado pelos defensores da privatização): 

No setor, entre 1998 e 2003, as tarifas telefônicas aumentaram em 30% acima da inflação! Nesse período, o brasileiro chegou a pagar a tarifa mais cara do mundo, ao lado da Turquia. Outro “título” da telefonia brasileira é que é campeã de reclamação nos órgãos de defesa do consumidor (como o Procon) e de processos na Justiça!

 

Energia elétrica:

Quando parte do setor foi entregue, a conta ficou mais cara. Em São Paulo, por exemplo, quando houve a privatização (1998/99), quem pagou essa conta foi o consumidor – aumento de 324%!

De acordo com o Procon, desde 2006, a Eletropaulo também se destaca no ranking de reclamações. A empresa simplesmente não dá satisfação à população em 71% dos casos.

 

Outros exemplos:

:: O metrô do Rio de Janeiro tem a tarifa mais cara do Brasil (privatizado nos anos 90).

:: Aumentaram os crimes ambientais (Vamos citar apenas dois, entre tantos: Mariana e Brumadinho, acidentes fruto do descaso empresarial sem precedentes na história do país).

:: A Embraer desenvolvia tecnologia de ponta e competia com as maiores empresas do setor de produção de aviões do mundo. Foi vendida por um preço que corresponderia ao lucro de poucos anos.

 

Sonegação e Corrupção

Muita gente repete o mito de que se privatizar vai acabar com a corrupção. Mas isso não é verdade.

Segundo especialistas, empresas privadas deixam de declarar em torno de R$ 2,17 trilhões por ano, e sonegam anualmente entre R$ 400 bilhões e R$ 500 bilhões no Brasil. Isso é corrupção porque rouba da população recursos que seriam aplicados em políticas públicas.

Fora isso, há casos infindáveis de esquemas de desvios, corrupção e práticas criminosas ou ilegais cometidas por empresas privadas.

 

Por fim, o mais importante para o brasileiro: as empresas estatais brasileiras são lucrativas!

De acordo com Nota Técnica do Dieese, entre 2002 e 2016 as estatais brasileiras tiveram um lucro líquido de R$ 808,6 bilhões! E grande parte desses recursos são usados pela União, estados e municípios para o desenvolvimento de políticas públicas.

Pense nisso: Se elas são lucrativas e dão retorno gigantesco para a sociedade (áreas como educação e saúde dependem do financiamento que vem de estatais), a quem interessa sua privatização?

Em vez de corrigir o que precisa para arrumar o que beneficia imensamente a população, vale a pena entregar as riquezas nacionais para quem vai se preocupar apenas com o próprio lucro?

Por isso, fica o alerta: privatizar faz mal ao brasileiro e ao Brasil!

 

Veja nossa matéria que explica por que o preço do combustível no Brasil está tão alto?

 

 

Compartilhe nossa campanha no Facebook

Siga-nos no Instagram

Passado, Presente e Futuro: A Petrobras é tudo isso e muito mais

Não há monopólio do petróleo no Brasil desde 1997
Não há monopólio do petróleo no Brasil desde 1997
Uma coisa que muita gente talvez não saiba é que a produção e comercialização de derivados de petróleo deixaram de ser monopólio estatal em 1997, com a revogação da Lei...
A pressão para subir o preço dos combustíveis vem de todos os lados
A pressão para subir o preço dos combustíveis vem de todos os lados
Que o mundo está interligado, não é novidade. Por isso, muita coisa que acontece na Europa respinga na América do Norte; ou o que acontece no Oriente Médio tem reflexos...
Petrobras leva responsabilidade social a sério
Petrobras leva responsabilidade social a sério
A Petrobras possui sólidos programas de responsabilidade social e ambiental. Esses projetos têm como objetivo diminuir ao máximo os impactos de sua atividade econômica nas comunidades onde atua, buscando sustentabilidade...